CÂMARA MUNICIPAL DESCALVADO

Do Estado de São Paulo

Vaguinho sugere projeto Descalvado Sem Papel

O vereador Vagner Basto (Republicanos) sugere às Secretarias de Administração e de Planejamento, Desenvolvimento, Obras e Serviços Públicos que instituam na Prefeitura o projeto Descalvado Sem Papel.

O objetivo, conforme o parlamentar é “conceder maior celeridade na execução dos serviços municipais, além de gerar economicidade e demonstrar respeito ao meio ambiente, haja vista que muitas outras Prefeituras vem fazendo”.

“Diversos órgãos públicos têm trabalhado para eliminar o uso de papel. A medida implica na redução de custos, dada a necessidade de investimentos em papel, tonners, impressora e armazenamento destes arquivos. Sem contar a necessidade de espaço físico”, afirma.

Impactos

Vaguinho destaca que “produzir uma tonelada de papel emite mais de 1,5 tonelada de gás carbônico, ou seja, usar menos papel vai ajudar a reduzir a quantidade de substâncias nocivas na atmosfera”.

Outro aspecto apontado pelo vereador é “a quantidade de lixo gerada, portanto, a redução do uso de papel também tem impactos ambientais benéficos”. Ele cita o exemplo de Barueri. “Foi um dos mais recentes a adotar este tipo de projeto, com o objetivo de assegurar mais agilidade, eficiência, transparência e economia em todos os âmbitos da Municipalidade”, observa.

Eficácia

O projeto, prossegue, prevê a digitalização dos serviços públicos. “Processos, atos e documentos, até então lavrados em papel e arquivados, passam a ser eletrônicos. Seu surgimento ocorreu pela necessidade de registrar de forma mais eficaz os documentos antigos da cidade e desenvolver um processo 100% eletrônico, no qual o documento já nasce digital”, ressalta. 

“Os benefícios para a cidade vão muito além da liberação de espaço físico, resultará também em agilidade e praticidade na consulta dos registros e, principalmente, em economia. Estima-se que entre 60% a 72% serão economizados com papel, tonner e suporte técnico, o que equivale a um valor entre R$ 1,06 mi a R$ 1,27mi ao ano”. 

Compostagem

Vaguinho indica às Secretarias de Planejamento, Desenvolvimento, Obras e Serviços Públicos e de Agricultura, Pecuária e Abastecimento que estudem a construção de um local apropriado e licenciado para a realização de compostagem com os restos da poda de árvores. A ideia é destinar o produto da compostagem aos pequenos agricultores e assentamentos rurais.

“A compostagem é um processo no qual os microrganismos decompõem a matéria orgânica até transformá-la em húmus. Em seguida, esse material que é muito rico em nutrientes, pode funcionar como um ótimo fertilizante para plantas”, explica. 

“Existem vários tipos de compostagem, dependendo da quantidade de resíduos gerados. A Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com frequência, realiza poda de árvores, limpeza de praças e espaços públicos, o que gera grande quantidade de resíduos”.

Vaguinho considera que a Prefeitura poderia criar uma Unidade de Triagem e Compostagem para centralizar o recolhimento destes resíduos, separá-los e realizar a compostagem.