Vaguinho defende censo para nortear políticas públicas para deficientes

Vereador Vagner Basto

O vereador Vagner Basto (PRB) defende que o Executivo realize, a cada quatro anos, recenseamento para identificar o perfil socioeconômico das pessoas com deficiência e mobilidade reduzida para posterior direcionamento de políticas públicas para este segmento.

Vaguinho destaca que com base nas informações coletadas será possível elaborar políticas públicas e inclusivas para inserir essas pessoas no mercado de trabalho e na vida em sociedade, por exemplo.

Há, de acordo com o parlamentar, necessidade da elaboração de políticas públicas adequadas, criadas e dirigidas, especificamente, a cada segmento da sociedade, de forma a atender às demandas existentes.

“As pessoas com deficiência, por exemplo, merecem atenção do Poder Público e políticas que promovam total acessibilidade e inserção”, justifica.

“O recenseamento demográfico promove uma atualização da real situação da cidade e permite um retrato da sociedade, ao delinear aspectos demográficos, econômicos e sociológicos, ao traçar o perfil da população, além de permitir a comparação e compreender das mudanças demográficas em um determinado período”.

Esporte

Vaguinho indica ao Executivo que aumente a dotação orçamentária destinada à Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Turismo para o exercício de 2020. “O investimento nesse segmento ainda deixa muito a desejar em Descalvado”, pontua.

“É preciso dar atenção para crianças e jovens e levá-los para o caminho da prática esportiva. Investir em esporte, também é investir em segurança pública, educação e saúde; afinal, a prática esportiva evita doenças do coração, diabetes e obesidade”.

Praça do Cemitério

O parlamentar solicita revitalização e melhorias na iluminação da praça existente defronte ao Cemitério Municipal, com a colocação lâmpadas de LED.

A praça, aponta Vaguinho, “encontra-se bastante escura e sem a devida infraestrutura, de forma que não pode ser frequentada; essa situação traz muita insegurança às pessoas que moram no Jardim Albertina”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *