CÂMARA MUNICIPAL DESCALVADO

Do Estado de São Paulo

Município criará Comitê de Leishmaniose

Na reunião realizada essa semana municipalidade, instituições e médicos veterinários se mobilizaram para controlar essa perigosa doença no município

Descalvado acaba de firmar o compromisso de criar o Comitê de Leishmaniose para coordenar as ações de prevenção, combate e controle da doença no Município. Dois casos recentes da doença detectada em cães e que levaram um deles a óbito, fizeram com que Prefeitura e Câmara Municipal, Universidade Brasil, Associação de Médicos Veterinários e Zootecnistas de Descalvado – AMEVZ, se reunissem para discutir formas de controlar a doença que pode estar oculta na população canina.

A reunião ocorreu na quinta-feira, 23, na Prefeitura Municipal, a pedido do Presidente da Câmara Municipal de Descalvado Pastor Adilson Gonçalves e de Vera Lúcia Câmara, tutora do cão infectado e morto pela doença nessa semana.

Na ocasião, foram esclarecidos pontos importantes pelos médicos veterinários presentes, sobre o fato de sempre ter havido casos isolados da doença em Descalvado e nunca ter sido feito nada a respeito.

A partir da iniciativa do vereador Pastor Adilson e da tutora Vera, juntamente com o interesse pelo controle de zoonozes e da saúde pública foi criado então o comitê, fato considerado histórico pelo Coordenador e Professor da Faculdade de Medicina Veterinária, Luciano de Mello. “Olha há 20 anos como professor aqui eu sempre esperei por esse momento, por entender a importância de monitorar essa zoonose tão séria e tão silenciosa, que pode estar se manifestando em animais e pessoas sem a devida atenção de todos”.

O Comitê

Formado por representantes da cidade, o Comitê contará com a participação de veterinários da rede pública e privada, representantes da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Brasil/Campus Descalvado, Secretaria Municipal de Saúde, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento e Câmara Municipal. O objetivo é conter a proliferação da doença no Município.

Segundo o Secretário de Saúde, Wander Bonelli, a criação do Comitê é preconizada pelo Ministério da Saúde, quando a cidade se torna endêmica da doença. Lembrando que no último mês, Descalvado registrou dois casos por leishmaniose visceral em cães. Ao fato seguiu-se a eutanásia do primeiro caso, e as medidas necessárias para o segundo caso detectado.

Na reunião algumas medidas já foram elencadas para serem realizadas nesse momento: conscientização dos médicos e clínicas veterinárias quanto aos casos ocorridos; compra de testes rápidos para poder coletar com agilidade exames em animais com possíveis sintomas, distribuição de coleiras, intensificação dos serviços urbanos e orientação à população.

O Vereador Pastor Adilson, que será o representante do Poder Legislativo no comitê já se comprometeu que destinará parte da sua próxima emenda impositiva para compra de coleiras contra a leishmaniose para controle de contágio de animais infectados e também uma lei que institua um Programa de Combate à Leishmaniose, inclusive que discipline o controle da eutanásia de animais portadores de Leishmaniose Visceral.

Leishmaniose

É uma zoonose de evolução crônica, com acometimento sistêmico e, se não tratada, pode levar ao óbito até 90% dos casos. É transmitida ao homem pela picada de fêmeas do inseto vetor infectado. No Brasil, a principal espécie responsável pela transmissão é a Lutzomyia longipalpis (mosquito palha).

No ambiente urbano, o cão é a principal fonte de infecção para o vetor, podendo desenvolver os sintomas da doença, que são: emagrecimento, queda de pelos, crescimento e deformação das unhas, paralisia de membros posteriores, desnutrição, entre outros.