Vick Francisco sugere alternativas para combater mato alto

Vereador Luiz Carlos Vick Francisco

Há tempos, o vereador Luiz Carlos Vick Francisco (PPS) cobra da Prefeitura melhor conservação das vias públicas, especialmente, a retirada do mato que se acumula nas calçadas e nas sarjetas, dando aspecto visual de que a cidade está abandonada.

O Executivo diz não ter pessoal suficiente para fazer a capina manual, uma vez que a capina química, que seria mais rápida, está proibida devido aos danos que causa ao meio ambiente e à saúde.

Em seu pronunciamento durante a sessão ordinária de 28 de maio, Vick Francisco comentou que há poucos dias, em reunião informal com professores e pesquisadores do campus Descalvado da Universidade Brasil, foram levantadas várias alternativas para se enfrentar o mato em nossas calçadas e sarjetas, muitas delas acessíveis, viáveis e sem o risco de danos ao meio ambiente, à nossa saúde e dos animais.

“Assim, estou apresentando propositura ao Executivo para se reunir com os pesquisadores da Universidade Brasil, em especial, com a coordenação do curso de Agronomia, para serem discutidos e apresentados métodos alternativos de retirada do mato das vias públicas, sendo que a solução encontrada poderá ser aproveitada por outros municípios com o mesmo problema que o nosso.” afirmou.

Recapeamento

Vick Francisco requereu o início imediato de recapeamento de toda a cidade. “Muitas ruas estão bastante danificadas, pondo em risco a segurança de pedestres e motoristas, a exemplo da Avenida Lázaro Timóteo de Amaral, no bairro Santa Cruz, uma via com grande fluxo de veículos, sobretudo caminhões, treminhões e ônibus e por onde transitam muitas pessoas, inclusive, alunos”, destacou.

Segundo Vick Francisco, “semana passada aprovamos aqui na Câmara o pedido da Prefeitura de usar R$ 600 mil em recapeamento; espero que essa verba seja utilizada em toda a cidade, principalmente, nos pontos mais críticos, e não em benefício de algumas poucas pessoas mais próximas dos chefes do Executivo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *