Pastor Adilson repudia omissão de emissoras no caso da morte do menino Rhuan

Vereador Pastor Adilson Gonçalves

O vereador Pastor Adilson Gonçalves (PSC), vice-presidente da Câmara Municipal, é autor de Moção de Repúdio às emissoras de televisão Rede Globo, SBT, Record e Bandeirantes pela omissão diante do caso de assassinato brutal do menino Rhuan Maicon da Silva Castro​, 9 anos.

O menino foi assassinado e esquartejado pela mãe e pela companheira dela, que estão presas e já confessaram o crime. Antes do assassinato, a mãe mutilou o garoto numa cirurgia de mudança de sexo forçada.

“Além do crime estarrecedor, o que também causou espanto foi não só o descaso, mas também o esforço da grande mídia em abafar o caso. A repercussão foi ínfima, digna de uma nota de rodapé de um editorial despretensioso. Por algum motivo não conhecido, parece não ter havido a comoção da grande mídia”, diz.

Acessibilidade

Pastor Adilson solicita ao Executivo a construção de rampas em todas as calçadas que dão acesso às igrejas de Descalvado, preferencialmente, defronte às portas principais.

“É importante facilitar o acesso dos portadores de deficiências às instituições religiosas. A maioria das igrejas de nosso município não possui rampas de acessibilidade para deficientes físicos”, frisa.

“O Poder Executivo precisa garantir o direito de acesso das pessoas com deficiência física ou mobilidade reduzida a áreas de uso coletivo. A mobilidade com autonomia e segurança constitui um direito universal e resulta das conquistas sociais e do conceito de cidadania”, completa.

Cobertura

Pastor Adilson solicita instalação de cobertura defronte à Unidade de Saúde da Família (USF) José Ignácio Alonso, no bairro Alto da Boa Vista. “Diariamente, a população aguarda a abertura dos portões da USF exposta às condições climáticas, visto que o local não possui qualquer tipo de cobertura”, aponta.

“Essas pessoas chegam mais cedo para entrar na fila do atendimento médico, pois precisam trabalhar e, também, porque existe um limite para os encaixes de consultas, e, muitas vezes estão doentes e sentindo-se indispostas”.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *